FacebooktweeteryoutubehistorypinSlideshare
Get flash player to play to this file
FACEBOOK
NEWSLETTER

Remover e-mail da newsleter:


DESTAQUES

PTM IBÉRICA

Sobrevoando o Porto de Aveiro #1 | 2014 | VÍDEOFOTO

Jardim Oudinot | Fotos Aéreas| 2014 | VÍDEOFOTO

Exercício/Simulacro “Porto Seguro 2013” (Vídeo-foto 1)

Porto de Aveiro em movimento #1 | 2014 | VÍDEOFOTO

Sobrevoando o Porto de Aveiro #2 | 2014 | VÍDEOFOTO

Bicentenário da abertura da Barra de Aveiro

Praia da Barra – Fotos de outros tempos

Excursão dos Empregados Superiores do «Diário de Notícias» a Viseu e Aveiro - 1930


METEO
Tempo Aveiro
LINKS

Figueira
Arquivo


Publicidade

FOTOS

 Porto de Aveiro - Por Paulo Magalhães

Porto de Aveiro - Por Paulo Magalhães
SLIDESHOW


DESCOBRINDO O NAVIO-MUSEU SANTO ANDRÉ

No convés principal, ao centro do navio, estão instalados o guincho de manobra de redes, o sistema de roldanas, as patescas, as portas de arrasto e a rede, componentes essenciais na pesca. O guincho é operado por dois guincheiros.



DESCOBRINDO O NAVIO-MUSEU SANTO ANDRÉ

É o local onde se concentram os equipamentos que permitem controlar a navegação em viagem e garantir a segurança do navio durante as operações de pesca. Com o radar detectam-se navios e icebergues; com a sonda localizam-se os cardumes. Na mesa de navegação traçam-se rumos e calculam-se distâncias.



DESCOBRINDO O NAVIO-MUSEU SANTO ANDRÉ

Aqui se instala o mecanismo de rotação do leme, do qual depende o governo do navio. Junto à casa do leme estão os camarotes dos homens da máquina: o 1.º maquinista ou chefe de máquinas, os 2.º e 3.º maquinistas, o eletricista e quatro ajudantes de maquinista.
 



DESCOBRINDO O NAVIO-MUSEU SANTO ANDRÉ

É o “coração” do navio. Aqui se instalam os equipamentos necessários à vida a bordo. O trabalho dos maquinistas e do eletricista era muito intenso. Durante um turno, os homens trabalham ininterruptamente em condições difíceis devido ao ruído e à exiguidade do espaço.
 



ATÉ 25 DE OUTUBRO, NO MUSEU MARÍTIMO DE ÍLHAVO

Resultado de um rigoroso trabalho de restauro da coleção de fotografia antiga da Administração do Porto de Lisboa, SA, a exposição retrata a vida portuária lisboeta nos primeiros quartéis do século XX.
As 75 imagens que integram a exposição foram seleccionadas entre mais de 6 000, o número aproximado que compõe a coleção, e impressas a partir dos seus negativos em vidro.



O veleiro “Santa Maria Manuela” (SMM), propriedade da empresa ilhavense Pascoal, encontra-se a participar na Mediterranean Tall Ships Regatta 2013 – prova internacional que conta com a participação de quase 30 grandes veleiros, oriundos de vários países – e, aquando da sua passagem por Barcelona, voltou a dar nas vistas.



NAVIO «PORTO DE AVEIRO» INAUGURADO A 5 DE JULHO DE 1968

Mais uma vez o porto de Aveiro esteve em festa com um acontecimento de certa envergadura não só para a região mas também para o país, aconteceu isso a 05/07/1968. Iniciou pela primeira vez, um barco nacional, baptizado com o nome de PORTO DE AVEIRO carreira para o Ultramar Português, levando vinho a granel.



VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO - 1999

O cargueiro havia adernado junto ao cais do Terminal Sul, a 11 de Março de 1999, durante uma operação de descarga de 2.200 toneladas de cimento. A 24 de Maio desse ano, O JN noticiava que o cargueiro ainda por ali se encontrava.



PORTUGAL

A Universidade de Aveiro, através do projeto “Memória de África e do Oriente”, tem já online mais de 2500 obras, referentes à história dos países de Língua Portuguesa, durante a administração colonial.



PRIMEIRA NEWSLETTER PORTUÁRIA DIGITAL DIFUNDIDA EM JUNHO DE 2004

Há 499 edições atrás, em Junho de 2004, nasceu a primeira newsletter portuária nacional. Isabel Ramos, coordenadora do projecto, recorda esses primeiros passos.



RAMAL FERROVIÁRIO DO PORTO DE AVEIRO

A Ligação Ferroviária ao Porto de Aveiro era, há duas décadas, uma ambição do Porto de Aveiro, das Câmaras Municipais e dos agentes económicos da região.
As primeiras referências à Ligação Ferroviária ao Porto de Aveiro constam do Plano Director de Desenvolvimento e Valorização do Porto e Ria de Aveiro, realizado em 1974.



INQUÉRITO À INDÚSTRIA DO SAL – SALGADO DE AVEIRO - 1956

Duma forma vaga pode dizer-se que o grupo melhor é o d) -porque é onde as marinhas dispõem de mais terreno e sõo portanto mais «valentes», como chamam às marinhas com grandes vive!ros e bom mandamento. Além disso a sua situação dentro da Ria permite-lhe um abastecimento de água com boa concentração.



SAL DE AVEIRO

Quem estende a vista pela imensa planície líquida da Ria de Aveiro e a fixa no caprichoso mosaico composto pelas marinhas de sal, está longe de se aperceber do esforço heróico do marnoto aveirense. O que ele luta, Santo Deus, para arrancar das águas lagunares os cristais de sal...



INQUÉRITO À INDÚSTRIA DO SAL – SALGADO DE AVEIRO - 1956

Também existe no salgado de Aveiro, de modo geral, perfeito entendimento entre proprietários e marnotos, que colaboram, entre si, na maior harmonia. Pode mesmo afirmar-se que o mamoto criou, neste salgado mais do que em qualquer outro, direitos especiais com o andar dos tempos, sendo hábito tradicional transmitir-se a exploração das marinhas de pais a filhos.



VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO - 1932

Os suspeitos "negaram terminantemente que tivessem praticado o delito". Apesar disso, Manuel Gandarinho comprometeu-se a pagar o prejuízo e confessou ter seguido de bicicleta pelo paredão num ato de "transgressão às disposições tomadas pela Junta".



VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO - 1948

Ofício n,º 487, de João Ribeiro Coutinho de Lima, Engenheiro Diretor da JARBA, dirigido a Joaquim Francisco de Melo, guarda, a solicitar informação e levantar autos a Artur da Silva Tavares Espeta, do lugar da Cavada, e Augusto Soares de Andrade, da Rua do Cabeço de Baixo, por terem cortado ervagens “em maninhos não arrematados”.



ARGUS

Este navio teve duas vidas e está a caminho da terceira. Foi bacalhoeiro português nos bancos da Terra Nova e da Gronelândia. Foi cruzeiro turístico nas Caraíbas, quem sabe se não foi como um barco do amor. E agora, que regressou ao país de origem depois de ter sido resgatado do abate nas Antilhas Holandesas, a ideia é torná-lo num navio-memória da sua primeira vida.



VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO - 1934

Carta de Daniel da Silva, proprietário do Lugre Ilda, que efectua a carreira entre o Porto de Aveiro e as ilhas, enviada à Junta Autónoma da Ria e Barra de Aveiro, dando conta dos elevados custos das taxas de reboque praticados pelas empresas de rebocadores do Porto de Aveiro.



VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE AVEIRO

No relato da ocorrência, o fiscal refere que tendo em conta os factos decorridos "numa obra do Estado", deveria ser dado conhecimento da mesma às autoridades. Assim, acompanhou a vítima ao Regedor de São Jacinto que referiu não ter competências para tratar o assunto. De seguida reportou ao Cabo do Mar que também afirmou não ter competência pelo facto de a ocorrência não decorrer dentro de uma embarcação. Por fim acompanhou o agredido a casa do enfermeiro da Escola de Aviação-Naval Gago Coutinho para cuidar dos ferimentos na cabeça e peito.



1930

“ Os funcionários superiores do ‘Diário de Notícias’, de Lisboa, - Directores de publicações, Chefes de Secção, Chefes districtaes, etc. – recreiam-se da labuta insana dos seus trabalhos fazendo uma formosa excursão através de dois belos districtos – Aveiro e Vizeu – organizada pelos Serviços de Propaganda e Expansão d’este grande jornal”.



feed
mapa